08 junho 2010

Amanhecer

Acordou meio 'Zen'. A noite mal dormida havia sido um verdadeiro caos, alias como todas as ultimas noites desde que ela e o marido haviam se separado. Não sentiu nenhum animo para se levantar. Sentia um misto de frio e calor percorrer seu corpo. Era assim que se sentia, com esta ausensia do homem que estava acostumada a ver todas as manhas, nos ultimos 20 anos deitado ao seu lado.
Não pode esperar mais. Resolveu que ligaria agora para ele. Iria falar do grande amor que os unia, da perfeita união, do respeito que tinha por ele. Dos planos que fizeram juntos. Poderia inclusive convida-lo para uma viagem de 'segunda lua-de'mel', com as economias q fizera no ultimo ano.
Entao, com a voz doce e «aveludada, susurraria ao telefone o quanto estava carente, com o corpo quente, na cama sozinha, nua, enrolada nos lençois. Que podia ainda sentir as mãos tocando seu corpo, a lingua sugando sua boca, os dedos explorando seu prazer. O cheiro de homem misturado ao cheiro de seu suor, o extase arrebantando-a ate as estrelas. A boca quente descendo sobre seu corpo, e dança frenetica em busca de prazer. Ahhhh...Era arrebatador estar nos braços do unico homem que havia tocado seu corpo, e possuido sua alma.
Mas lembrou se de algo. Maldita lembrança. O homem a havia deixado por uma garota 20 anos mais jovem. Colocou o telefone de lado, baixou a cabeça no travesseiro e chorou.

3 comentários:

Luis disse...

Na vida há também malditas Lembrancas ,mas como nosso coracao nos trai Imaginamos ou sonhamos com elas mesmo sem querer.

joão araujo disse...

Millie Ribeiro ,
Acho que as pulgas são pros cachorros o que as malditas lembranças são para os humanos. Mas pros cachorros basta uma sacudidela...rsss

estou seguindo seu blog
um abraço

Thiago disse...

Olá, felizmente encontrei seu blog, e me apaixonei por cada conto.
Parabéns, você é muito talentosa, e dá pra sentir um pouquinho de alma em cada um deles.
Obrigado!

Enviar um comentário